Camundongo
Fatos sobre alérgenos, sintomas e tratamento


Os alérgenos de camundongo podem levar ao desenvolvimento de asma e rinite (febre do feno) e são uma causa importante de sintomas relacionados à asma em áreas urbanas e suburbanas. O principal alérgeno em camundongos é encontrado na urina, folículos pilosos e descamação da pele desses animais. No entanto, pode ser transportado pelo ar e migrar por edifícios.1,2 A alergia a camundongos também é um problema de saúde ocupacional. Um quadro chamado de alergia a animais de laboratório (AAL) é comumente observado entre esses trabalhadores nas indústrias farmacêuticas, laboratórios universitários e criadouros de animais, onde a prevalência varia de 11 a 44%. Na maioria das vezes causada por camundongos e ratos, a AAL é conhecida por afetar técnicos, tratadores de animais, médicos e cientistas. Os sintomas, incluindo asma alérgica e rinoconjuntivite alérgica (que envolve reações semelhantes à febre do feno e conjuntivite), às vezes podem iniciar dois a três anos após a exposição inicial.3

O camundongo doméstico comum é um mamífero principalmente noturno e, embora seja geralmente considerado uma praga, alguns são criados como animais de estimação.1 Embora os camundongos habitem o solo, eles também são escaladores, saltadores e nadadores ágeis.4 Na verdade, eles podem pular a uma altura de 30 cm, sobreviver a saltos de 2,5 metros até o chão e se espremer através de aberturas de apenas 0,6 centímetro de diâmetro. Além disso, eles conseguem andar de cabeça para baixo e escalar uma série de superfícies verticais, incluindo madeira, metal, tela de arame, tijolos, cabos e cordas.1

Ao ar livre, os camundongos consomem sementes e insetos, mas dentro de casa comem quase tudo que seja digestível.4 Devido à sua agilidade, os camundongos conseguem infestar uma variedade de ambientes, como residências, escolas, hospitais, lojas e restaurantes, onde também podem causar danos estruturais.1,5

Onde os camundongos são encontrados?

Os alérgenos estão localizados na urina de camundongos, folículos capilares e descamação da pele desses animais; além disso, eles são encontrados na poeira assentada, bem como levantada no ar.1,2 Os roedores podem infestar uma infinidade de ambientes, como casas, escolas, hospitais, lojas e restaurantes, causando sintomas durante todo o ano.5 De fato, em uma pesquisa habitacional nos EUA, 82% das casas tinham pelo menos um alérgeno detectável de camundongo.1 Em geral, os ambientes residenciais em áreas urbanas têm maior probabilidade de apresentar níveis elevados de roedores do que as moradias suburbanas.5

Prepare-se para a próxima consulta médica. 

Preencha nosso rastreador de sintomas

Saiba mais sobre as opções de teste de alergia para IgE específica.

Leia mais

Existem outros alérgenos que poderiam me sensibilizar?*

Algumas pessoas com alergia a camundongos também podem apresentar sintomas quando expostas a outros roedores, como ratos, porquinhos-da-índia, hamsters e coelhos. Isso é chamado de reatividade cruzada e ocorre quando o sistema imunológico do corpo identifica proteínas ou componentes em substâncias diferentes como sendo estruturalmente semelhantes ou biologicamente relacionadas, desencadeando uma resposta.3

*É possível que esses produtos não estejam liberados para uso médico no seu país. Converse com o médico para entender a disponibilidade.

Como é possível controlar a alergia?

Se você tiver alergia a camundongos, o médico pode recomendar um plano incluindo o seguinte.5-7,9,10

  • Localize e remova esconderijos de camundongo e fontes de alimento.
  • Armazene os alimentos em recipientes fechados.
  • Limpe e remova as tigelas de ração depois que os animais terminarem de comer.
  • Limpe a bagunça.
  • Extermine os camundongos e vede buracos e rachaduras para evitar a reinfestação.
  • Faça uma limpeza profunda no ambiente assim que os roedores forem removidos para reduzir os alérgenos residuais.
  • Considere entrar em contato com um exterminador profissional para implementar uma abordagem de controle integrado de pragas para remover fatores facilitadores (por ex., comida e água), bloquear as entradas e matar ou capturar esses insetos, quando necessário.

O médico pode orientar você a tomar um dos seguintes medicamentos para melhorar os sintomas da alergia:

  • Os anti-histamínicos são comumente usados para reduzir sintomas como espirros, coceira e coriza.
  • Os corticosteroides nasais são usados para reduzir o edema do nariz e bloquear as reações alérgicas.
  • Os descongestionantes podem ser empregados para aliviar o bloqueio nasal.

Se você estiver com alguém que está tendo uma reação alérgica e mostra sinais de choque, aja rápido. Verifique se a pele está pálida, fria e úmida; veja se o pulso está fraco e rápido; observe se há dificuldade para respirar, confusão e perda de consciência. Faça o seguinte imediatamente:

  • Ligue para o serviço de emergência local.
  • Certifique-se de que a pessoa está deitada e eleve suas pernas.
  • Administre adrenalina imediatamente caso haja algum sinal óbvio de reação sistêmica potencialmente grave.
  • Verifique o pulso e a respiração da pessoa e administre RCP ou outras medidas de primeiros socorros, se necessário.

Procurando mais informações sobre alergia e dicas de gerenciamento?

Visite a seção Vivendo com alergias

Sintomas comuns

A maior parte da literatura científica concentra-se em como os alérgenos de camundongo exacerbam os sintomas da asma levando, talvez, à redução da função pulmonar. No entanto, pelo menos um estudo indica que a alergia a camundongos está ligada à rinite durante o ano todo (febre do feno).6 Os sintomas da febre do feno podem incluir:7

  • Coriza
  • Coceira nos olhos, boca ou pele
  • Espirros
  • Nariz entupido
  • Olhos vermelhos e lacrimejantes
  • Tosse

Os sintomas de alergia a animais de laboratório (AAL), uma doença comumente observada em trabalhadores de indústrias farmacêuticas, laboratórios universitários e criadouros de animais, incluem asma alérgica e rinoconjuntivite alérgica (que envolve reações semelhantes a febre do feno e conjuntivite).8

Os alérgenos de roedores também podem causar sérios efeitos adversos à saúde, mas, em geral, é necessário que haja uma cadeia de eventos para que isso ocorra. Após a exposição ao alérgeno, alguns indivíduos desenvolvem alergia. Em seguida, novas exposições levam ao desenvolvimento de asma ou rinite (febre do feno). Quando uma doença respiratória está presente, novas exposições podem causar sintomas respiratórios exacerbados.1

Como saber se tenho alguma alergia?*

Junto com seu histórico de sintomas, o teste cutâneo ou o exame de sangue para IgE específica podem ajudar a determinar se você tem alergia a um alérgeno específico. Se você tiver um diagnóstico de alergia, o médico criará um plano de controle junto com você.

*É possível que esses produtos não estejam liberados para uso médico no seu país. Converse com o médico para entender a disponibilidade.

Existe risco de evento grave?

A sensibilização a animais com pelagem é comum e um fator de risco para o desenvolvimento de rinite alérgica e asma.3 De fato, crianças asmáticas sensibilizadas e expostas a altas concentrações de alérgenos de camundongo em casa correm um risco maior de apresentar sintomas, exacerbações e função pulmonar reduzida.6 A alergia a animais de laboratório (AAL), uma alergia ocupacional a roedores entre os trabalhadores de laboratório de pesquisa em animais, é comum.3,8 Embora os sintomas geralmente sejam leves, a anafilaxia é possível e pode ser fatal.8

  1. Phipatanakul W, Matsui E, Portnoy J, Williams PB, Barnes C, Kennedy K, Bernstein D, Blessing-Moore J, Cox L, Khan D, Lang D, Nicklas R, Oppenheimer J, Randolph C, Schuller D, Spector S, Tilles SA, Wallace D, Sublett J, Bernstein J, Grimes C, Miller JD, Seltzer J; Joint Task Force on Practice Parameters. Environmental assessment and exposure reduction of rodents: a practice parameter. Ann Allergy Asthma Immunol. 2012 Dec;109(6):375-87. doi: 10.1016/j.anai.2012.09.019. PMID: 23176873; PMCID: PMC3519934. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3519934.
  2. Baxi SN, Phipatanakul W. The role of allergen exposure and avoidance in asthma. Adolesc Med State Art Rev. 2010 Apr;21(1):57-71, viii-ix. PMID: 20568555; PMCID: PMC2975603. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2975603.
  3. EAACI, et al. Molecular allergology user’s guide. Pediatric Allergy Immunol. 2016 May;27 Suppl 23:1-250. do: 10.1111/pai.12563. PMID: 27288833. (285-289 p.) Disponível em: http://www.eaaci.org/documents/Molecular_Allergology-web.pdf.
  4. Encyclopedia Britannica [Internet]. Chicago: Encyclopedia Britannica Inc.; 2020 Apr 30. Disponível em: https://www.britannica.com/animal/mouse-rodent.
  5. Portnoy J. World Allergy Organization [Internet]. Milwaukee, WI: World Allergy Organization; 2004 Dec [2018 Mar]. Disponível em: https://www.worldallergy.org/education-and-programs/education/allergic-disease-resource-center/professionals/allergen-avoidance.
  6. Matsui EC. Management of rodent exposure and allergy in the pediatric population. Curr Allergy Asthma Rep. 2013 Dec;13(6):681-6. doi: 10.1007/s11882-013-0378-4. PMID: 23912589; PMCID: PMC3840032. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3840032.
  7. American College of Allergy, Asthma & Immunology [Internet]. Arlington Heights, IL: American College of Allergy, Asthma & Immunology; 2020 Jun 17. Disponível em:
    https://acaai.org/allergies/types/hay-fever-rhinitis.
  8. Kampitak T, Betschel SD. Anaphylaxis in laboratory workers because of rodent handling: two case reports. J Occup Health. 2016 Jul 22;58(4):381-3. doi: 10.1539/joh.16-0053-CS. Epub 2016 Jun 6. PMID: 27265535; PMCID: PMC5356946.
  9. Mayo Clinic [Internet]. Rochester, MN: Mayo Foundation for Medical Education and Research; 2019 Sep 14. Disponível em: https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/anaphylaxis/diagnosis-treatment/drc-20351474#:~:text=During%20an%20anaphylactic%20attack%2C%20you,Oxygen%2C%20to%20help%20you%20breathe.
  10. Portnoy J. World Allergy Organization [Internet]. Milwaukee, WI: World allergy Organization; 2004 Dec [2018 Mar]. Disponível em: https://www.worldallergy.org/education-and-programs/education/allergic-disease-resource-center/professionals/allergen-avoidance.