Aipo
Fatos sobre alérgenos, sintomas e tratamento


Nativo do Mediterrâneo, mas cultivado comercialmente em todo o mundo, o aipo é um vegetal com hastes crocantes e suculentas e folhas.1 Embora seja composto de 95% de água com apenas 16 calorias por 100 gramas, acredita-se que o aipo tenha benefícios anti-inflamatórios.1,2 Talos e bulbos de aipo (também conhecido como tubérculos, aipo-rábano) são consumidos crus e cozidos, enquanto as sementes de aipo (também conhecido como sal de aipo) podem ser usadas como tempero e em misturas de temperos em uma grande variedade de alimentos. A sensibilização ao aipo, como um todo, foi observada em 6,3% da população em geral em 2014.3 No entanto, esse número é significativamente elevado na Suíça, onde cerca de 40% dos pacientes com alergia alimentar são alérgicos à raiz de aipo.4

Onde o aipo é encontrado?

Talos e bulbos de aipo (tubérculos ou aipo-rábano) costumam ser consumidos crus ou cozidos.3 Enquanto isso, sementes de aipo (sal de aipo) podem ser usadas como especiarias e em misturas de especiarias, e são encontradas em uma variedade de alimentos, como sopas, caldos, suco de tomate, guisados, molhos, caldos e temperos.3,8 Outras fontes possíveis de aipo incluem bacon curado, pasta de marmite, saladas e batatas fritas.8 Além disso, o óleo de semente de aipo pode ser empregado como ingrediente alimentar ou usado em cosméticos.3 Indivíduos alérgicos a aipo cru também devem evitar a raiz de aipo-rábano, frequentemente consumida na Europa, e o aipo em pó, frequentemente usado em misturas de temperos, sopas, molhos para salada e caldos.4,8

Prepare-se para a próxima consulta médica. 

Preencha nosso rastreador de sintomas

Saiba mais sobre as opções de teste de alergia para IgE específica.

Leia mais

Existem outros alérgenos que poderiam me sensibilizar?*

Algumas pessoas alérgicas a aipo também podem desenvolver sintomas ao ingerir outros alérgenos aparentemente não relacionados. Isso é chamado de reatividade cruzada e ocorre quando o sistema imunológico do corpo identifica proteínas ou componentes em substâncias diferentes como sendo estruturalmente semelhantes ou biologicamente relacionadas, desencadeando uma resposta. As reatividades cruzadas mais comuns com aipo incluem cerejas, pêssegos, avelãs, amendoins e cenouras.3

Se você sentir coceira na boca ou garganta depois de ingerir aipo ou outras frutas frescas ou verduras cruas associadas, é possível que você tenha uma síndrome de alergia oral (SAO), às vezes chamada de síndrome da alergia pólen-alimento (SAPA). Esse quadro também é causado por uma reação de sistema imunológico a proteínas ou componentes semelhantes encontrados em alimentos vegetais e polens arbóreos. Isso é muito comum, com até 25% das crianças que têm rinite alérgica (febre do feno) também apresentarem a SAO ao comer frutas e verduras.9 Alergias comuns ao pólen que podem causar SAO ao comer aipo incluem a bétula e a artemísia.3

Preciso evitar todas as formas de aipo?

O aipo consiste em diferentes tipos de proteínas, todas com características diferentes e que podem estar associadas a riscos variáveis de reações alérgicas graves. Algumas pessoas alérgicas a aipo podem apresentar tolerância quando aquecido a temperaturas altas (cozido), pois o calor forte quebra as proteínas causadoras. Para outros pacientes, o aipo deve ser evitado totalmente, pois eles têm potencial para causar um evento grave, também chamado de anafilaxia. O perfil de risco específico depende das proteínas às quais a pessoa é alérgica.3

Conhecer as proteínas ou componentes de cada alérgeno que estão desencadeando os sintomas pode ajudar a orientar seu plano de controle. Com isso em mente, e com base no histórico de sintomas, o médico pode sugerir algo chamado teste de IgE específica para componentes de alérgenos, que pode ajudar a revelar outros pólens e alimentos capazes de desencadear uma reação em você.3

Os resultados do teste de IgE específica para componentes de alérgenos já estão prontos?

Os resultados do teste de componente incluirão o nome dos componentes (uma série de letras e números e/ou nome). O médico provavelmente analisará os resultados com você, mas aqui você também encontra uma análise rápida que pode ser usada como referência. Basta associar os nomes dos componentes com a lista abaixo e ver o que significam para o controle dos sintomas.3

rApi g 1.01, rBet v 2

  • Geralmente associado a sintomas leves, como a SAO.
  • Presente em todos os polens e alimentos vegetais, associado a reações cruzadas, geralmente ao pólen de bétula.
  • Sensível ao calor e à digestão; alimentos cozidos são frequentemente tolerados.

nArt v 1

  • Indica que os sintomas podem ser causados pelo pólen da artemísia, ambrósia, girassol ou pólen de matricária devido à reatividade cruzada.
  • A imunoterapia com alérgeno de pólen de artemísia pode ser considerada.

MUXF3 (CCD)

  • Como único teste de componente com positividade para IgE específica positiva de aipo combinada com MUXF3 CCD (determinante de carboidrato de reação cruzada), indica que a causa dos sintomas pode ser algo diferente de aipo.

Os resultados do teste devem ser interpretados pelo médico, no contexto de seu histórico clínico. O diagnóstico final e a decisão de controle adicional são feitos pelo médico.

*É possível que esses produtos não estejam liberados para uso médico no seu país. Converse com o médico para entender a disponibilidade.

Como é possível controlar a alergia?

Como não há cura para as alergias alimentares, o médico pode recomendar um plano incluindo o seguinte.10-13

  • Leia atentamente os rótulos dos ingredientes e os avisos destacados de "pode conter" nos produtos alimentícios e não alimentícios e evite todos os alimentos e produtos que contenham qualquer forma do alérgeno. Observe que essas listas e avisos podem não estar do mesmo lado da embalagem de um produto e que os fabricantes mudam ingredientes com frequência. Se não for possível obter uma lista dos ingredientes, é mais seguro evitar aquele item.
  • Evite a contaminação cruzada ao cozinhar. Para isso, use dois conjuntos de utensílios para cozinhar e comer, sendo um exclusivo para pessoas alérgicas. Lave todos os pratos e utensílios em água quente com sabão entre os usos.
  • Elabore um plano de ação com uma lista de etapas a serem seguidas por você e outras pessoas, em caso de ingestão acidental do alérgeno. Imprima uma cópia do plano e leve-a com você.
  • Converse com o chef nos restaurantes sobre sua alergia e peça comida preparada de maneira simples e sem qualquer forma do alérgeno. Evite sobremesas, pois muitas vezes elas contêm ou tiveram contato com alérgenos alimentares.
  • Planeje viagens com antecedência para garantir que sua alergia alimentar seja controlada e algum medicamento de emergência esteja sempre disponível.
  • Use uma pulseira de identificação médica exibindo o alérgeno ao qual você tem alergia.
  • Leve sempre com você alguma medicação recomendada ou de emergência.
  • Ensine às crianças com alergia alimentar quais alimentos elas devem evitar. Trabalhe com os cuidadores e funcionários da escola para eliminar ou reduzir a exposição ao alérgeno e garantir que eles entendam quando e como usar a medicação para tratar os sintomas.

O médico pode dar orientação para que você tome um dos seguintes medicamentos:

  • Autoinjetor de adrenalina quando há sinais de um evento agudo grave, também conhecido como anafilaxia (veja abaixo). Certifique-se de que seus familiares saibam como administrá-lo para o caso de uma emergência.
  • Os anti-histamínicos como agentes adjuntos podem ser úteis no alívio de sintomas leves (por ex., coceira); no entanto, eles não interrompem a progressão de uma reação alérgica.
  • Broncodilatador (albuterol) como terapia complementar para sintomas respiratórios, especialmente em pessoas com história de broncoespasmo ou asma.

Se você estiver com alguém que está tendo uma reação alérgica e mostra sinais de choque, aja rápido. Verifique se a pele está pálida, fria e úmida; veja se o pulso está fraco e rápido; observe se há dificuldade para respirar, confusão e perda de consciência. Faça o seguinte imediatamente:

  • Ligue para o serviço de emergência local.
  • Certifique-se de que o indivíduo afetado esteja deitado com as pernas elevadas.
  • Administre adrenalina imediatamente caso haja sinais óbvios de anafilaxia.
  • Verifique o pulso e a respiração da pessoa afetada e administre RCP ou outras medidas de primeiros socorros, se necessário.

Procurando mais informações sobre alergia e dicas de gerenciamento?

Visite a seção Vivendo com alergias

Sintomas comuns

A alergia a aipo pode ser leve a grave e pode variar com o tempo, resultando em sintomas leves durante um episódio e graves em outro. Embora os sintomas de alergia alimentar possam começar alguns minutos a várias horas após a ingestão, a maioria começa no intervalo de duas horas.3,5 Os sintomas podem acometer a pele, o trato gastrointestinal, o sistema cardiovascular e o trato respiratório e incluir um ou mais dos seguintes:5,6

  • Dor abdominal, diarreia, náuseas, vômitos, cólicas estomacais
  • Urticária alérgica, coceira, eczema
  • Chiado no peito, congestão nasal, falta de ar, tosse repetida
  • Choque, colapso circulatório
  • Dor de garganta, dificuldade para engolir
  • Pele pálida ou azulada
  • Tontura, vertigem, desmaio, pulso fraco
  • Anafilaxia

Os sintomas também podem incluir os seguintes, que estão associados à síndrome de alergia oral (SAO), também chamada de síndrome da alergia pólen-alimento (SAPA):7

  • Coceira ou urticária na boca
  • Dor de garganta
  • Inchaço dos lábios, boca, língua e garganta
  • Coceira no canal auditivo

O aipo também pode causar várias reações cutâneas em indivíduos alérgicos. Embora a ingestão possa causar uma sensibilidade generalizada à luz do sol, a pele que entrou em contato direto com o aipo pode formar bolhas após exposição ao sol. Além disso, foram relatados casos de dermatite alérgica de contato (eczema), urticária aguda, edema da pele e anafilaxia após ingestão ou contato direto com aipo.1

Como saber se tenho alguma alergia?*

Junto com seu histórico de sintomas, o teste cutâneo ou o exame de sangue para IgE específica podem ajudar a determinar se você tem alergia a um alérgeno específico. Se você tiver um diagnóstico de alergia, o médico criará um plano de controle junto com você.

*É possível que esses produtos não estejam liberados para uso médico no seu país. Converse com o médico para entender a disponibilidade.

Existe risco de evento grave?

Como as reações alérgicas a alimentos são imprevisíveis e os sintomas variam de locais a sistêmicos, recomenda-se que a prescrição de adrenalina seja considerada para qualquer paciente com alergia alimentar mediada por IgE.10

Se você tem asma, pode ter um risco maior de reações graves ao aipo, principalmente se a sua asma não estiver controlada.8

  1. Rademaker M. DermNet NZ [Internet]. New Zealand: DermNet New Zealand; 1999. Disponível em: https://dermnetnz.org/topics/celery.
  2. Luttojahn B. Permaculture Research Institute [Internet]. The Channon, NSW, Australia: Permaculture Research Institute; 2017 Jan 31. Disponível em: https://www.permaculturenews.org/2017/01/31/do-you-know-celery.
  3. EAACI, et al. Molecular allergology user’s guide. Pediatr Allergy Immunol. 2016 May;27 Suppl 23:1-250. doi: 10.1111/pai.12563. PMID: 27288833. (199-212 p.) Disponível em: http://www.eaaci.org/documents/Molecular_Allergology-web.pdf.
  4. The University of Manchester [Internet]. Manchester, UK: The University of Manchester; 2006 Oct 18. Disponível em: http://research.bmh.manchester.ac.uk/informall/allergenic-food/index.aspx?FoodId=18.
  5. American College of Allergy, Asthma & Immunology [Internet]. Arlington Heights, IL: American College of Allergy, Asthma & Immunology; 2014. Disponível em: https://acaai.org/allergies/types/food-allergy.
  6. Mayo Clinic [Internet]. Rochester, MN: Mayo Foundation for Medical Education and Research; 2019 Nov 2. Disponível em: https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/food-allergy/symptoms-causes/syc-20355095.
  7. American College of Allergy, Asthma & Immunology [Internet]. Arlington Heights, IL: American College of Allergy, Asthma & Immunology; 2014. Disponível em: https://acaai.org/allergies/types/food-allergies/types-food-allergy/oral-allergy-syndrome.
  8. The Anaphylaxis Campaign [Internet]. Farnborough, UK: The Anaphylaxis Campaign; 2018 Feb. Disponível em: https://www.anaphylaxis.org.uk/wp-content/uploads/2019/07/Celery-2018.pdf.
  9. Roberts, Graham & Xatzipsalti, M & Borrego, Luis & Custovic, Adnan & Halken, Susanne & Hellings, Peter & Papadopoulos, Nikolaos & Rotiroti, G & Scadding, Glenis & Timmermans, Frans & Valovirta, Erkka. (2013). Paediatric rhinitis: Position paper of the European Academy of Allergy and Clinical Immunology. Allergy. 68. 10.1111/all.12235.
  10. Wright BL, Walkner M, Vickery BP, Gupta RS. Clinical Management of Food Allergy. Pediatr Clin North Am. 2015 Dec;62(6):1409-24. doi: 10.1016/j.pcl.2015.07.012. Epub 2015 Sep 7. PMID: 26456440; PMCID: PMC4960977
  11. American College of Allergy, Asthma & Immunology [Internet]. Arlington Heights, IL: American College of Allergy, Asthma & Immunology; 2014. Disponível em: https://acaai.org/allergies/types-allergies/food-allergy/food-allergy-avoidance.
  12. Harvard Health Publishing [Internet]. Boston, MA: Harvard Medical School; 2020. Disponível em: https://www.health.harvard.edu/healthbeat/6-tips-for-managing-food-allergies.
  13. Mayo Clinic [Internet]. Rochester, MN: Mayo Foundation for Medical Education and Research; 2019 Sep 14. Disponível em: https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/anaphylaxis/symptoms-causes/syc-20351468.