látex
Fatos sobre alérgenos, sintomas e tratamento


Látex

O látex vem da seiva leitosa da seringueira, cultivada principalmente na Tailândia, Indochina, Malásia e Índia.1 A cada ano, mais de 12 milhões de toneladas de borracha natural são produzidas, que depois são usadas na fabricação de uma infinidade de produtos domésticos, de preservativos e elásticos a balões e botões de controle remoto.2,3 Além disso, o látex é onipresente na área da saúde e é comumente usado em luvas.4

Reações típicas de alergia ao látex são causadas por inalação e contato direto com a pele ou muco-membrana. Assim, as pessoas que usam luvas de látex têm exposição de contato direto. No entanto, quando as luvas são removidas, os lubrificantes em pó dentro das luvas podem se prender às proteínas de látex e deixá-las no ar ao vesti-las ou removê-las.1

As populações a seguir correm o risco de desenvolver uma alergia devido ao uso regular de produtos de látex: profissionais de saúde, profissionais de saúde odontológica, profissionais de atendimento residencial, profissionais de limpeza, cabeleireiros, garçons, mecânicos, artistas que lidam com balões e funcionários do setor elétrico. No entanto, outros também correm um risco maior, como as pessoas com certas alergias alimentares e as que se submetem a vários procedimentos cirúrgicos.3 Na verdade, até 72% das crianças com espinha bífida, que muitas vezes são expostas a produtos de látex nos cuidados de saúde precoces e frequentes, apresentam sensibilização ao látex.1,5 E para indivíduos sensibilizados ao látex, a asma é um importante fator de risco para reações alérgicas mais graves.3 No geral, a prevalência é alta entre profissionais de saúde (9,7%), pacientes suscetíveis (7,2%) e a população em geral (4,3%).2

Onde o látex é encontrado?

Além de luvas, muitos itens contêm látex, como:4,8,9 estetoscópios, cateteres, tubos IV, torniquetes, almofadas de eletrodo, seringas, respiradores, represas dentais, tubos de drenagem, manguitos de pressão arterial, seringas, tubos endotraqueais, máscaras cirúrgicas, óculos de proteção, pneus de carro, manetas de bicicleta, carpetes, cabos de raquete, solas de sapato, tecidos expansíveis (por ex., cintas), luvas de lavar louça, bolsas de água quente, balões, preservativos, diafragmas, chupetas, bicos de mamadeira, capas de chuva, botas de chuva, absorventes higiênicos e alguns tipos de brinquedos, bandagens, maquiagem, pintura facial e máscaras de fantasia.

Segundo relatos, as alergias ao látex também podem ser causadas por alimentos contaminados por trabalhadores usando luvas de látex, e medicamentos e vacinas podem ser contaminados por frascos contendo látex e dispositivos médicos.2 Algumas pessoas com alergia grave ao látex relataram até mesmo reações nas proximidades de arranjos com balões.3 No entanto, o látex sintético, que é encontrado em itens como tinta látex, provavelmente não causará uma reação.5

Prepare-se para a próxima consulta médica. 

Preencha nosso rastreador de sintomas

Saiba mais sobre as opções de teste de alergia para IgE específica.

Leia mais

Existem outros alérgenos que poderiam me sensibilizar?*

Algumas pessoas com alergia ao látex também podem apresentar sintomas orais (por ex., coceira e edema) e anafilaxia ao comer uma variedade de frutas frescas, vegetais e nozes.1,7 Essa associação é chamada de síndrome do fruto do látex, que é um tipo de reatividade cruzada que ocorre quando o sistema imunológico do corpo identifica proteínas ou componentes em substâncias diferentes como sendo estruturalmente semelhantes ou biologicamente relacionadas, desencadeando uma resposta. Embora muitas frutas estejam envolvidas na síndrome látex-fruta, os culpados mais comuns são abacate, banana, castanha e kiwi.1

Conhecer as proteínas ou componentes de cada alérgeno que estão desencadeando os sintomas pode ajudar a orientar seu plano de controle. Com isso em mente, e com base no histórico de sintomas, o médico pode sugerir algo chamado de  teste de IgE específica para componentes de alérgenos, que pode ajudar a revelar outros pólens e alimentos que podem causar uma reação. Os resultados desse teste também podem ajudar o médico a decidir se a imunoterapia alérgeno-específica pode reduzir seus sintomas.1

Os resultados do teste de IgE específica para componentes de alérgenos já estão prontos?

Os resultados do teste de componente incluirão o nome dos componentes (uma série de letras e números). O médico provavelmente analisará os resultados com você, mas aqui você também encontra uma análise rápida que pode ser usada como referência. Basta associar os nomes dos componentes com a lista abaixo e ver o que significam para o controle dos sintomas.1

rHev b 5, rHev b 6.02

  • Indica que os sintomas são causados pelo látex.
  • Associado a sintomas como urticária, rinite (febre do feno), asma e reações graves, até mesmo anafilaxia, em ocupações expostas ao látex (por ex., profissionais de saúde, cabeleireiros, etc.).
  • Pode causar sintomas durante a ingestão de alimentos vegetais, por exemplo, abacate, banana, castanha e kiwi, devido à reatividade cruzada (síndrome látex-fruta).

rHev b 1, rHev b 3

  • Indica que os sintomas são causados pelo látex.
  • Associado a sintomas como urticária, asma e reações graves, até mesmo anafilaxia, em pacientes expostos ao látex que passam por várias cirurgias, por exemplo, pacientes com espinha bífida.

rHev b 8 (profilina)

  • O sIgE positivo para látex em combinação com rHev b 8 como único teste de componente positivo, indica que a alergia ao látex é improvável e que não é necessário evitar o látex.
  • Associado a sintomas leves e localizados (por ex., sintomas orais, como coceira e edema).
  • Os sintomas são provavelmente causados pela sensibilização a uma fonte primária de pólen, como pólen de grama, bétula, ambrósia ou artemísia, alimentos vegetais crus (por ex., tomate, melão, frutas cítricas, banana, abacaxi, caqui, abobrinha, tomate) e muito mais.

rHev b 11

  • Indica que os sintomas podem ser causados por algo diferente do látex e não é necessário evitar esses produtos. Associado a sintomas leves e localizados (por ex., sintomas orais, como coceira e edema).
  • Os sintomas podem ocorrer com a exposição a certos alimentos vegetais (por ex., abacate, banana, castanha e kiwi). Essa alergia de reação cruzada é chamada de síndrome látex-fruta.

MUXF3 (CCD)

  • Como único teste de componente com positividade para IgE específica positiva de látex combinada com MUXF3 CCD (determinante de carboidrato de reação cruzada), indica que a causa dos sintomas pode ser algo diferente do látex.

Preciso evitar todas as formas de látex?

A exposição ao látex mais importante a evitar é o talco das luvas de látex. Objetos sólidos contendo látex, como elásticos, tubos de pressão sanguínea, pneus de bicicleta e semelhantes, não são um perigo para os sintomas de asma ou febre do feno porque não emitem partículas de látex.11

*É possível que esses produtos não estejam liberados para uso médico no seu país. Converse com o médico para entender a disponibilidade.

Como é possível controlar a alergia?

Se você tiver alergia ao látex, o médico pode recomendar um plano que inclua o seguinte.3, 8-12

  • Evite produtos que contenham látex e ambientes onde as proteínas do látex possam estar suspensas no ar, como quartos de hospital. 
  • Verifique se há látex nos rótulos dos produtos, mas lembre-se de que “hipoalergênico” não significa necessariamente que o item não contém látex.
  • Diga aos profissionais de saúde, cuidadores, professores e amigos que você e/ou seus filhos são alérgicos ao látex.
  • Use luvas sem látex para atividades que não envolvam contato com materiais infecciosos (por ex., limpeza de rotina, manutenção, preparo de alimentos).
  • Limpe as áreas de trabalho contaminadas com talco de látex com frequência e troque os filtros de ventilação e os sacos de aspirador usados nesses ambientes.
  • Comunique sua condição alérgica à equipe médica antes de exames, procedimentos e cirurgias.
  • Peça aos restaurantes que assegurem que as pessoas que preparam sua comida usem luvas não látex.
  • Use uma pulseira ou colar de alerta médico que identifique sua alergia e carregue adrenalina injetável em caso de reação anafilática.

O médico pode orientar você a tomar um dos seguintes medicamentos para melhorar os sintomas da alergia:

  • Autoinjetor de adrenalina quando há sinais de um evento agudo grave, também conhecido como anafilaxia (veja abaixo). Certifique-se de que seus familiares saibam como administrá-lo para o caso de uma emergência.
  • Os anti-histamínicos como agentes adjuntos podem ser úteis no alívio de sintomas leves (por ex., coceira); no entanto, eles não interrompem a progressão de uma reação alérgica.
  • Broncodilatador (albuterol) como terapia complementar para sintomas respiratórios, especialmente em pessoas com história de broncoespasmo ou asma.
  • Emolientes e cremes esteroides tópicos como terapia suplementar para reduzir os sintomas.

Se você estiver com alguém que está tendo uma reação alérgica e mostra sinais de choque, aja rápido. Verifique se a pele está pálida, fria e úmida; veja se o pulso está fraco e rápido; observe se há dificuldade para respirar, confusão e perda de consciência. Faça o seguinte imediatamente:

  • Ligue para o serviço de emergência local.
  • Certifique-se de que o indivíduo afetado esteja deitado com as pernas elevadas.
  • Administre adrenalina imediatamente caso haja sinais óbvios de anafilaxia.
  • Verifique o pulso e a respiração da pessoa afetada e administre RCP ou outras medidas de primeiros socorros, se necessário.

Procurando mais informações sobre alergia e dicas de gerenciamento?

Visite a seção Vivendo com alergias

Sintomas comuns

A gravidade da reação pode depender do nível de sensibilidade e da quantidade de exposição; além disso, pode piorar com cada exposição adicional.5 Os sintomas do látex podem incluir o seguinte:1,6,7

Dermatite de contato tardia
Normalmente desencadeadas pela adição de produtos químicos na borracha, essas reações costumam aparecer de 12 a 36 horas após a exposição e podem incluir:

  • Pele vermelha, descamada e/ou com coceira

Reações alérgicas imediatas
Quando uma pessoa foi exposta a látex e ficou sensibilizada por isso, ela pode desencadear qualquer um ou todos os sintomas a seguir após a re-exposição:

  • Espirros
  • Coriza
  • Tosse, chiado no peito
  • Coceira na garganta
  • Olhos com coceira, lacrimejantes

Anafilaxia, um evento potencialmente fatal
Nos casos mais graves, os sintomas ocorrem em minutos e podem causar anafilaxia. Os sintomas podem incluir qualquer um ou todos os seguintes:

  • Erupção cutânea vermelha (normalmente com coceira e possivelmente com vergões/urticária)
  • Edema na garganta ou áreas do corpo
  • Chiado no peito, dificuldade em respirar, desmaio
  • Aperto no peito
  • Voz rouca, dificuldade para engolir
  • Vômito, diarreia, cólicas estomacais
  • Cor pálida ou vermelha no rosto e no corpo

Síndrome látex-fruta
Os sintomas também podem incluir os seguintes, que estão associados à síndrome do látex:

  • Edema e coceira na boca
  • Anafilaxia

Como saber se tenho alguma alergia?*

Junto com seu histórico de sintomas, o teste cutâneo ou o exame de sangue para IgE específica podem ajudar a determinar se você apresenta sensibilização a um alérgeno específico. Se você tiver um diagnóstico de alergia, o médico criará um plano de controle junto com você.

*É possível que esses produtos não estejam liberados para uso médico no seu país. Converse com o médico para entender a disponibilidade.

Existe risco de evento grave?

Como as reações alérgicas são imprevisíveis e os sintomas variam de reações locais a graves, como anafilaxia, recomenda-se que a prescrição de adrenalina seja considerada para qualquer paciente com alergia mediada por IgE.11

  1. EAACI, et al. Molecular allergology user’s guide. Zurich, Switzerland: European Academy of Allergy and Clinical Immunology; 2016. 277-284 p. Disponível em: http://www.eaaci.org/documents/Molecular_Allergology-web.pdf.
  2. Wu M, McIntosh J, Liu J. Current prevalence rate of latex allergy: Why it remains a problem? J Occup Health. 2016 May 25;58(2):138-44. doi: 10.1539/joh.15-0275-RA. Epub 2016 Mar 24. PMID: 27010091; PMCID: PMC5356959. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5356959/pdf/1348-9585-58-138.pdf.
  3. The Anaphylaxis Campaign [Internet]. Farnborough, UK: The Anaphylaxis Campaign; 2016 August. Disponível em: https://www.anaphylaxis.org.uk/wp-content/uploads/2019/10/Latex-Factsheet-2019.pdf
  4. Nguyen K, Kohli A. Latex Allergy. [Updated 2020 Nov 21]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2021 Jan-. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK545164.
  5. Mayo Clinic [Internet]. Rochester, MN: Mayo Foundation for Medical Education and Research; 2021. Disponível em: https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/latex-allergy/symptoms-causes/syc-20374287?p=1
  6. American Academy of Allergy Asthma & Immunology [Internet]. Milwaukee, WI: American Academy of Allergy Asthma & Immunology; 2021. Disponível em: https://www.aaaai.org/conditions-and-treatments/allergies/latex-allergy
  7. Cleveland Clinic Center for Continuing Education [Internet]. Lyndhurst, OH: Cleveland Clinic Center for Continuing Education; 2010 Aug. Disponível em: https://www.clevelandclinicmeded.com/medicalpubs/diseasemanagement/allergy/latex-allergy.
  8. Cleveland Clinic [Internet]. Cleveland OH: Cleveland Clinic; 2021. Disponível em: https://my.clevelandclinic.org/health/diseases/8623-latex-allergy.
  9. National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH): NIOSH alert: Preventing allergic reactions to natural rubber latex in the workplace. 1997 June. Disponível em: http://www.cdc.gov/Niosh/latexalt.html#sum.
  10. National Jewish Health [Internet]. Denver, CO: National Jewish Health. 2012 Jan 1. Disponível em: https://www.nationaljewish.org/conditions/latex-allergy/reduce-exposure.
  11. Mayo Clinic [Internet]. Rochester, MN: Mayo Foundation for Medical Education and Research; 2019 Sep 14. Disponível em: https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/anaphylaxis/symptoms-causes/syc-20351468.
  12. Allergy & Asthma NETWORK [Internet]. Disponível em: https://allergyasthmanetwork.org/allergies/latex-allergy/